Início Democracia Digital #lovewins! Ou, por que o Facebook colorido importa?

#lovewins! Ou, por que o Facebook colorido importa?

1884
1
COMPARTILHAR
Fonte: G1
Pocket

Ontem, a Suprema Corte norte-americana decidiu pela possibilidade do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Trata-se definitivamente de uma decisão histórica, dada a influência dos Estados Unidos no cenário mundial e por sua reconhecida história de conservadorismo e moralismo em certos campos. Após isto, o presidente dos Estados Unidos fez um pronunciamento parabenizando a decisão e afiançando seu apoio. A Casa Branca foi iluminada com as cores do arco-íris, um dos principais símbolos da luta LGBTTT por diversidade e direitos iguais. Diversas instituições e prédios e monumentos famosos seguiram o exemplo, assim como outros grandes líderes e celebridades se manifestaram nos EUA e no mundo. No ciberespaço e em sua infinidade de plataformas e aplicativos, várias empresas também se posicionaram favoravelmente, adicionando as cores do arco-íris em seus logos. A hashtag #lovewins ganhou suporte de várias empresas. O Facebook foi uma das empresas a se manifestar em apoio à decisão da Suprema Corte. E, além disso, criou um simples aplicativo que permitia a cada usuário da rede colorir a sua própria foto como forma de apoio à decisão.

Fonte: Catraca Livre
Fonte: Catraca Livre

Tal possibilidade rapidamente repercutiu no Brasil. Um grande conjunto de celebridades midiáticas e políticas começaram a colorir suas fotos, a exemplo de Chico Buarque, Belchior, Xuxa, Marina Lima, Alceu Valença, o Porta dos Fundos,  Dilma Rousseff, Lula, Eduardo Suplicy c etc. Diversas instituições também coloriram os avatares de seus perfis, como o Palácio do Planalto, Anistia Internacional (Brasil), ONU no Brasil, Metrô de São Paulo, MASP, Perfil das Olímpiadas, de universidades e faculdades  e diversas prefeituras pelo Brasil. Até o perfil de alguns jornais, como o A Tarde de Salvador e o blog do Noblat fizeram a homenagem, assim como o Sensacionalista e Ricardo Boechat, Marcelo Tas e outros tantos. E, obviamente, os usuários também adotaram a “moda”. Como era de se esperar, para muitos (não necessariamente contrários ao casamento homoafetivo) tratou-se de uma “modinha”. Algo inócuo que em nada ajuda a luta por direitos iguais dos casais homoafetivos. Outros simplesmente ironizaram a prática. Alguns, ainda, chegaram a questionar, por exemplo, o porquê de campanha semelhante não ter sido realizada quando algo semelhante foi aprovado no Supremo Tribunal Brasileiro. A questão de fundo é: “realmente importa”? Ou “faz alguma diferença”? Ou ainda, é apenas uma modinha ocasionada única e exclusivamente por ter ocorrido nos Estados Unidos?

Fonte: G1
Fonte: G1

A resposta simples é: sim. Evidente que faz. A resposta complexa… bem, é mais complexa. Porque se tomarmos efetividade, influência ou impacto como algo prático e direto, provavelmente a eficácia destas ações seja provavelmente nula. Dificilmente, amanhã veremos um deputado propondo um projeto de lei (ou pedindo a votação de algum projeto de lei que já esteja na fila) unicamente pelas fotos coloridas do Facebook. Provavelmente, a própria decisão na Suprema Corte seria muito mais influente neste sentido que as nossas fotinhas coloridas (por mais lindas que elas sejam!!).

 

Por outro lado, em política, já sabemos (ou deveríamos saber) que influência, efetividade e mudanças não ocorrem do dia para a noite. Decisões políticas seja na forma de políticas púbicas ou legislações podem demorar a aparecer. Agora, certamente estas ações e um bom clima de opinião sobre um tema sempre pode abrir uma janela de oportunidade para um representante propor uma lei ou um político aprovar uma política pública inclusiva. E tal janela de oportunidade não é pouca coisa em determinados casos.

Ademais, grupos e associações cívicas, movimentos sociais, ONGs e cidadãos interessados já sabem que boa parte das campanhas e do engajamento não se restringe a influenciar o Estado. Em especial, quando se tratam de grupos minoritários. Tratam-se de influenciar a esfera pública. Em desafiar os discursos, opiniões e enquadramentos existentes na sociedade. Ou seja, como estes grupos são vistos, avaliados e/ou reconhecidos pela sociedade. Ou seja, a representação simbólica de um grupo é vital.

É aqui que nossa “modinha” importa. Ao colorir seu perfil, em maior ou menor medida, os indivíduos, os políticos, as celebridades e as instituições estão fazendo um posicionamento político no campo simbólico. #lovewins, por exemplo, quer dizer que o amor vence o desrespeito, o preconceito, o conservadorismo e o fanatismo. Ao colorir o seu perfil, os indivíduos e instituições estão, em alguma medida, reconhecendo que os casais homoafetivos têm os mesmos direitos de se amar e de casar. É simbolicamente reconhecer (e apoiar!) a diversidade.

robin

A questão “modinha” é apenas uma retórica pouco elaborada. Em qualquer movimento, causa, agitação, campanha, passeata, manifestação etc. política seja presencial ou on-line (ou, hoje em dia, simultânea) irá contar com participantes com diferentes níveis de conhecimento político e interesse pela causa. Não é ser on-line que torna a questão uma “modinha” ou descartável então. E, geralmente, os números importam. Faz muita diferença a manifestação x em São Paulo ter reunido 200 mil pessoas ou 1 milhão e 200 mil. Muita diferença. E muitos estão lá apenas para parecer. Apenas para estarem nos grupos. Ou até simplesmente para sair de casa. Ajudam a fazer número e sendo otimista, algum ganho pode ter em participar de alguma ação. Então, mesmos os que se juntam apenas pela “festa” não podem ser simplesmente descartados. Obviamente, o mesmo vale para este tipo de ação on-line. Muitos podem ter mudado o avatar por “modinha” e depois procurado entender os verdadeiros motivos. Aqueles que não retornaram o avatar ao original em seguida já indicam que apoiam a causa.

Ademais, como já sabemos das várias teorias da opinião pública, faz muita diferença. Determinados grupos e pessoas com pensamentos preconceituosos e homofóbicos poderiam, por exemplo, achar que todos pensam da mesma maneira e que estão no grupo dominante da opinião pública. Esta manifestação dá uma forte indicação de que isto pode não ser tão verdade como alguns defendiam. Que há milhões de pessoas que apoiam os direitos iguais para os homossexuais, o fim do preconceito, da perseguição e que há políticos, instituições políticas, celebridades e grupos cívicos diversos que poderão se posicionar contra o avanço do conservadorismo homofóbico.

predios-coloridos

A janela de oportunidade também é para o agendamento da discussão, para a introdução ou reforço de temas da causa. E aí novamente em todas as instâncias. Por exemplo, a ONU Brasil se manifestou a favor da causa assim como Mark Zuckenberg, diretor do Facebook, apresentando inclusive dados do crescimento da comunidade LGBT na rede social. Estas manifestações e apoios de políticos, grupos, celebridades, artistas e instituições são simbolicamente importantes para a causa no geral. É aqui que está a resposta do porquê semelhante ação não foi realizada quando o supremo brasileiro deu parecer similar no Brasil.Não é preciso espírito de vira-lata e dizer que a modinha se deu apenas “porque foi nos EUA”. Na verdade, houve muita comemoração e atos na época. Simplesmente não viralizou nesta magnitude. Na política digital, como sabemos, é difícil prever os atos que darão certo ou não. Se vão ganhar grande alcance e apoio. Desta vez houve e é bobagem criticar apenas por ser “algo” dos Estados Unidos. O apoio à diversidade e ao simbolismo de tal aprovação não se restringe aos Estados Unidos. Este é o ponto.

facebook

 

Não necessariamente hoje. Não necessariamente por esta simples ação, mas nestas questões o acúmulo importa. Não é que amanhã o preconceito terá acabado e cada um que mudou o avatar passará a defender estes grupos minoritários. Não é que o preconceito acabou. Seria bobagem pensar nisso, assim como também não adianta reduzir o ato a nada.

 

Cada ação com grande visibilidade e boa repercussão é um ganho que não pode ser desconsiderado. É através destas mudanças na opinião pública fomentadas por grandes debates na esfera pública que podemos efetivamente esperar a tal efetividade ou impacto no sistema político formal seja na criação de leis pelo Legislativo ou nas decisões do Judiciário. Seja ainda em políticas públicas de inclusão promovidas pelo Executivo. É a tal janela de oportunidade que mencionei. É muito difícil dizer exatamente o que importa mais ou menos. O que realmente influencia. Qual a influência ou importância de cada pequena campanha ou manifestação. Mas política é assim mesmo.

Nada como um arco-íris depois de tantos dias chuvosos na política brasileira. Só as imagens abaixo já poderiam ganhar o dia de qualquer um.

 

trio

 

Rafael Sampaio
Rafael Sampaio é jornalista formado pela UFJF, especialista em Comunicação e Política pelo Uni-BH e mestre em Comunicação Social pela UFMG e doutor em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela UFBA. Atualmente, está realizando estágio doutoral no grupo de pesquisa em Mídia e Esfera Pública (EME) e é pesquisador do Centro de Estudos Avançados em Governo Eletrônico e Democracia Digital (CEADD-UFBA). Pesquisa na área de internet e política, com foco em programas digitais de participação política civil e experimentos de deliberação online. Além de política, é fissionado em quadrinhos, RPG, cinema, séries de TV (Big Bang Theory, Game of Thrones) e coisas geek em geral.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here