The Newsroom (HBO)

O universo da Comunicação e da Política é o objeto de interesse da série de televisão americana The Newsroom. Exibida pela HBO, a produção estreou em 2012, levou ao ar em 2013 a sua segunda temporada, e está em negociação para uma terceira leva de episódios em 2014. A trama é uma criação de Aaron Sorkin, responsável por sucessos na TV e no Cinema, como The West Wing (vencedora de mais de 20 Emmy Awards) e The Social Network (vencedor do Oscar de melhor roteiro adaptado e dos Golden Globes de melhor filme, de melhor diretor e de melhor roteiro). O protagonista de The Newsroom é Will McAvoy (Jeff Daniels), âncora e editor-chefe do News Night, um telejornal do canal a cabo ACN. Will tem uma relação intensa e ambígua, com a sua produtora executiva, MacKenzie “Mac” McHale (Emily Mortimer). Outros personagens também dão brilho ao texto e dividem-se entre seus dilemas pessoais e, principalmente, seus desafios profissionais e éticos.

Elenco de The Newsroom (HBO).

The Newsroom mescla a narrativa dos seus personagens com fatos políticos reais. Os principais eventos da vida pública americana ao longo do ano são introduzidos na trama com inteligência e inspiração. O texto tem um forte viés à esquerda, marca inconfundível em várias produções de Aaron Sorkin e algo comum na cobertura noticiosa americana, à exceção da Fox News. The West Wing tinha como herói exatamente um presidente democrata, que em The Newsroom dá lugar a um âncora de jornal, igualmente brilhante e que tem como alvo preferencial de suas críticas o recente movimento Tea Party, do Partido Republicano. As observações de Will McAvoy são ásperas e sofisticadas, em um nível poucas vezes alcançado pelos próprios jornalistas reais da TV americana. Rachel Maddow e Bill Maher seriam referências não fictícias para entendermos o perfil do personagem central da série.

A ótima interpretação de Jeff Daniels para o papel, que já no primeiro ano levou o Emmy de melhor ator (desbancando nomes como Bryan Cranston, de Braking Bad, e Damian Lewis, de Homeland), é algo que favorece o retorno da série em 2014. Na primeira temporada, aparecem temas como a tentativa de assassinato da deputada Gabrielle Giffords no Arizona, os protestos da Primavera Árabe e o desastre nuclear em Fukushima. No segundo ano, a trama passa por fatos como a renúncia do General David Petraeus, o Movimento Occupy Wall Street em sua fase embrionária, as primárias republicanas – com uma atenção toda especial ao festival de gafes e à mentalidade medieval dos candidatos ultraconservadores – e, é claro, as eleições americanas de 2012.

O cenário político é apresentado na trama de modo dinâmico e surpreendente, sem que o telespectador seja entediado pela sensação de estar assistindo a um telejornal ao invés de uma série, e muitas vezes com a opção da redação do News Night por não cobrir alguns destes eventos. Como no caso da renúncia de Petraeus, em que se priorizou outro episódio que envolvia um candidato nas iminentes eleições de 2012, e por isso era de maior interesse público. E como no caso do Occupy Wall Street, em que a produtora executiva não viu sentido em dar espaço ao que, de início, parece “mais uma” das inúmeras manifestações que ocorrem diariamente em Nova York pelos motivos mais esdrúxulos e com adesão pífia – a despeito de todos os alertas feitos pelo seu analista de mídias sociais, Neal (Dev Patel, de Slumdog Millionaire). A série utiliza vários elementos presentes no jogo político-midiático, de forma eletrizante. Em uma fase muito especial da TV americana, com excelentes produções no ar, The Newsroom destaca-se como uma das melhores séries do momento. Imperdível, especialmente para quem está nas áreas da Comunicação e da Política.

[author] [author_image timthumb=’on’]https://www.imakay.org/compol/wp-content/uploads/Ruan-01-rosto.jpg[/author_image] [author_info]Ruan Carlos Brito é graduado em Comunicação Social pela UFPA, mestre em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela UFBA, especialista em Comunicação e Política pela UFBA, e membro do GITS – Grupo de pesquisa em Interação, Tecnologias digitais e Sociedade, da UFBA. Twitter: @CrapulaMor. [/author_info] [/author]