Publicada edição de 2011 de ranking internacional de universidades

Foi publicado nesta segunda-feira (05) o QS World University Rankings® de 2011. O ranking, que está em sua oitava edição, é uma das classificações internacionais com mais prestígio e lista comparativamente as melhores universidades do mundo. O primeiro lugar deste ano é ocupado pela Universidade de Cambridge (UK), seguida por Harvard (EUA), MIT (EUA), Yale (EUA) e Oxford (UK). A universidade brasileira mais bem colocada é a USP, que está no 169º lugar. A Unicamp ocupa a 235ª posição. Apenas as duas instituições entraram na lista publicada nesta segunda com 300 universidades, mas o ranking completo (com cerca de 700 instituições) deve ser disponibilizado em breve e costuma abarcar outras universidades brasileiras.

O QS também compara as instituições por área de conhecimento. Na área de Ciência Política e Relações Internacionais, o primeiro lugar é ocupado pela Universidade de Harvard, seguida por Oxford, Cambridge, London School of Economics and Political Science (UK) e Universidade da Califórnia/Berkeley (EUA). A primeira universidade brasileira nesta sublista é a PUC Rio, classificada na faixa 101-150. Na Sociologia, a lista é encabeçada novamente por Harvard, seguida pela Universidade da Califórnia/Berkeley, Oxford, Cambridge e Universidade de Chicago (EUA). A primeira brasileira neste caso é a USP, na faixa 51-100, seguida pela UFRJ, na faixa 151-200. Já a Comunicação não possui um ranking específico.

Para fazer a comparação, o QS leva em conta seis critérios: reputação acadêmica (que corresponde a 40% do índice), reputação da instituição junto aos funcionários (10%), razão estudante/corpo docente (20%), citações por docente (20%), número de professores/pesquisadores estrangeiros (5%) e número de estudantes internacionais (5%). Nesse sentido, existem diversas críticas aos métodos utilizados pelas diferentes entidades que produzem rankings internacionais de universidades, como a ênfase exagerada em alguns critérios que não necessariamente demonstram a qualidade de uma instituição e problemas de confiabilidade nas pesquisas — erros na coleta de dados, falta de clareza na amostra utilizada para alguns dos critérios etc. Além disso, alguns desses rankings tendem a valorizar instituições tradicionais e não necessariamente demonstram o crescimento de universidades emergentes — de países em desenvolvimento, por exemplo. Instituições em países de língua inglesa também saem na frente já que tendem a publicar mais amplamente nos periódicos com maior fator de impacto. Também existe a dificuldade inerente da própria pesquisa comparativa, que precisa cruzar dados de realidades completamente distintas e acaba por não fazer jus à qualidade de algumas instituições. De qualquer forma, essas classificações fornecem um panorama internacional, sobretudo se levamos em conta os diversos rankings em conjunto.

Além do QS World University Rankings®, outras classificações prestigiadas são: o Times Higher Education World University Rankings — publicado pela Thompson Reuters; e o Academic Ranking of World Universities (ARWU) — publicado pela Shanghai Jiao Tong University. A edição de 2011/2012 do ranking produzido pela Thompson Reuters deve ser publicada em outubro próximo. O ARWU de 2011 foi publicado recentemente, em 15 de agosto passado.

Mais detalhes

QS World University Rankings®

Times Higher Education World University Rankings
Academic Ranking of World Universities