Dilma e Lula sustentam imagens positivas

Fonte: Blog Comunicação e Política

No último fim de semana, o instituto DataFolha divulgou o resultado de uma recente pesquisa,  realizada entre os dias 18 e 19 de abril deste ano, que revela novo recorde de popularidade de Dilma Rousseff. Ainda que muitos especialistas discordem dessa avaliação como sendo de “popularidade”, o fato é que os resultados mostraram 64% dos entrevistados satisfeitos com o governo Dilma, considerando-o “bom” ou “muito bom”. O resultado surpreendeu, porque a mesma avalição, considerando um ano e três meses de governo, foi feita com Lula e Fernando Henrique Cardoso e ambos não apresentaram índices tão expressivos.

Nesse sentido, pode-se afirmar que os brasileiros estão otimistas com relação à economia, uma vez que o crescimento econômico do Brasil vem sendo sustentado como grande bandeira da transição entre os governos Lula e Dilma. Pode-se dizer, ainda, que os brasileiros estão aprovando as “demissões” de Dilma Rousseff; atitude que alguns interpretam como negativa para o governo por poder representar falta de força política e instabilidade, outros acreditam ser positiva por demonstrar ao eleitor o combate à corrupção.

No entanto, o que merece destaque nessa pesquisa é o que se refere ao ex-presidente Lula. Perguntados sobre a eleição presidencial de 2014, 57% dos entrevistados afirmaram querer Lula como candidato pelo Partido dos Trabalhadores (PT) e 32% preferem Dilma como candidata novamente. Apenas 6% dos entrevistados considerou que nenhum dos dois deveria ser candidato no próximo pleito presidencial.

Ao fazer uma comparação de governos, a mesma pesquisa revela que 57% dos entrevistados considera que o governo Dilma é “igual” ao governo Lula, outros 20% considera o atual governo “melhor”, e 21% o considera “pior” que o anterior.  De modo geral, os resultados mostram que aos olhos do eleitor, o governo Dilma vem se mantendo sob o signo do continuísmo.

Vale lembrar que Lula deixou o governo em 2010 com cerca de 83% de aprovação popular, segundo pesquisa realizada pelo DataFolha, em novembro de 2010. Isso pode explicar a vontade pela volta de Lula. Entretanto, entramos para o segundo ano do governo Dilma e seu crescimento nas pesquisas pode reverter esse quadro. Lula não comenta sobre a possibilidade de voltar em 2014.

Fonte: www.institutolula.org

No PT, a aprovação do governo Dilma foi comentada em um artigo pelo secretario nacional do partido, Elói Pietá, “alta popularidade da presidenta Dilma tem seu complemento também na convicção generalizada de que ela, além de conduzir com competência a economia, defende valores importantes para a sociedade”. Ele, porém, não mencionou a imagem de Lula como presidenciável em 2014.

Aécio Neves, um dos nomes lembrados quando se fala em disputa presidencial para 2014, não comentou diretamente a pesquisa, mas em texto publicado na Folha de S. Paulo em 23 de abril destacou que o avanço do país não poderia passar apenas pelo esforço em “ter apenas mais do mesmo”, criticando aí o continuísmo, e logo depois finaliza, dizendo que “o principal atributo de um governo deve ser a coragem. Coragem para fazer o que precisa ser feito”.

 

 

 

 

 

 

 

 

[author] [author_image timthumb=’on’]https://www.imakay.org/compol/wp-content/uploads/EricaAnita21.jpg[/author_image] [author_info]Érica Anita é Mestre em Comunicação Social – Interações Midiáticas – pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas). Atualmente, é pesquisadora do Grupo “Opinião Pública, Marketing Político e Comportamento Eleitoral”, sediado na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).[/author_info] [/author]