Aécio na disputa de imagem

A preocupação com a imagem pública política não é novidade e o senador Aécio Neves (PSDB) pode ser considerado como um dos grandes investidores nesse aspecto. A entrevista de Aécio a Kennedy Alencar, no programa É notícia da Rede TV, veiculada em 3 de outubro, é exemplo dessa preocupação com a imagem pública, na medida em que ele – sempre muito à vontade com mídia – resgata suas influências políticas, procura traçar um panorama do governo atual, demonstra preocupação com a postura do PSDB e se credencia a futuras indicações da legenda para disputas políticas.

Aécio no programa É Notícia

Importante dizer que não é recente sua preocupação com a construção de imagem pública política e sua investida em termos de marketing político ganhou destaque quando ele ocupou o governo de Minas, em 2002, levantando a bandeira do Choque de Gestão. Desde então, Aécio investe alto na manutenção e ampliação de sua imagem, com vistas às eleições presidenciais. Nota-se que esse investimento vem surtindo efeito, especialmente se retomarmos a eleição para a prefeitura de Belo Horizonte, em 2008, quando Aécio “emprestou” sua imagem, com altos índices de aprovação, ao candidato Márcio Lacerda (PSB), contribuindo para sua vitória.

Em 2010, de olho na indicação do PSDB para a candidatura à presidência, Aécio jogou com uma série de acontecimentos, buscando ampliar sua imagem em âmbito nacional: queda de José Serra (PSDB) nas pesquisas; centenário de Tancredo Neves; inauguração da Cidade Administrativa de Minas Gerais; e as prévias do PSDB. Estas que, no entanto, não ocorreram, minando as apostas do mineiro com a indicação de Serra. Aécio, após recusar o convite de ser o vice-candidato de Serra, investiu em sua candidatura ao Senado, sendo vitorioso.

Alguns momentos da entrevista

Sobre o PSDB, Aécio comenta que o partido encomendou uma pesquisa que permite, principalmente, avaliar como a população vê o partido em termos de posicionamento. O senador menciona que conhecer o eleitorado evita estratégias equivocadas nas campanhas, o que ocorreu nas últimas eleições. Sobre isso, é importante comentar que o PSDB sofreu criticas internas, especialmente do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC) que destacou como falha na última campanha, sobretudo, a falta de posicionamento da legenda.

O senador, apesar de não destacar o posto de oposição de seu partido, explicita o seu posicionamento como tal. Aécio critica o PT e o governo Dilma, e apresenta uma visão pessimista quanto aos próximos anos do atual governo. No entanto, é interessante notar que ele não abre mão do “mito da mineiridade” – herdado de seu avô Tancredo Neves e, por vezes, abraçado estrategicamente por Aécio – e postula-se como um político conciliador e disposto ao diálogo em prol das negociações políticas.

Quanto às próximas eleições presidenciais, Aécio coloca-se à disposição do PSDB. Porém, afirma seguir as orientações do partido e apoiará outro político que seja indicado em seu lugar. Vale mencionar que isso não impede que ele entre nas disputas internas no PSDB, como ocorreu em 2010, quando Aécio e Serra buscaram provar suas habilidades políticas e administrativas buscando a indicação do partido para a eleição presidencial.

 

Assista parte da entrevista de Aécio Neves

 

REFERÊNCIAS

GOMES, Wilson. Transformações da política na era da comunicação de massa. São Paulo: Paulus, 2004.

SILVA, Erica Anita B. Mídia e política: a construção da candidatura de Aécio Neves como presidenciável em 2010. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Pontifica Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, 2011.

OLIVEIRA, Luiz Ademir; Santos Junior, Marcelo A. Um estudo sobre um pseudo-acontecimento. Observatório da Imprensa. Disponível em: <http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/um-estudo-sobre-um-pseudo-acontecimento>.

 

[author] [author_image timthumb=’on’]https://www.imakay.org/compol/wp-content/uploads/EricaAnita21.jpg[/author_image] [author_info]Érica Anita Baptista Silva é Mestre em Comunicação Social – Interações Midiáticas – pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas). Atualmente, é pesquisadora do Grupo “Opinião Pública, Marketing Político e Comportamento Eleitoral”, sediado na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).[/author_info] [/author]